ALERTA EM SC: DENGUE JÁ REGISTRA CASOS EM 143 MUNICÍPIOS

Com 143 municípios catarinenses infestados pelo mosquito Aedes aegypti e  para prevenir o agravamento do avanço da doença, o Governo do Estado lançou a primeira campanha de publicidade deste ano. Como o tema é de saúde pública e afeta todos os catarinenses, foram produzidas publicações que estão sendo veiculadas desde o último sábado, nas redes sociais e emissoras de rádio e TV, de forma a impactar toda a população. O mosquito  é transmissor de três doenças: dengue, zika vírus e chikungunya. Esse dado representa um incremento de 21% em relação ao mesmo período de 2022, que registrou 118 municípios nessa condição. A ação integrada faz parte da estratégia da Secretaria de Estado da Comunicação em não só prestar contas do trabalho de Governo, mas também orientar com serviços a população do estado.

“A dengue é um problema de saúde pública, e é papel do Estado prestar esse serviço de orientação. O cidadão catarinense precisa saber o que fazer em casa para ajudar a frear o avanço da dengue em Santa Catarina”, frisou o governador Jorginho Mello.

MAIOR IMPACTO NA  GRANDE FLORIANÓPOLIS

Santa Catarina registra 339 casos de dengue em 2023 e o número acende um alerta sobre os cuidados e prevenção contra a doença. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), a maior incidência está na região da Grande Florianópolis, que concentra aproximadamente 81% (216) dos casos autóctones de todo o estado (266). Só no ano passado foi registrado o recorde de casos confirmados da doença: 83.276, com 90 óbitos

“Queremos conscientizar a nossa população sobre o combate ao Aedes aegypti. É essencial que cada pessoa faça a sua parte. Cuidar das nossas casas, do nosso ambiente de trabalho e das estruturas públicas. A responsabilidade é de todos. Precisamos ficar atentos e eliminar os possíveis focos da doença, todo dia é dia de combate à dengue”, enfatiza a secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto.

“Os dados nos mostram que já estamos no período de sazonalidade de transmissão da dengue, ou seja, período em que os casos confirmados começam a aumentar devido às condições climáticas favoráveis a reprodução do mosquito, com temperaturas altas e aumento de chuvas”, explica Fábio Gaudenzi, superintendente de Vigilância em Saúde de SC.
Municípios infestados

PROPAGAÇÃO ESTADUAL

“Para saber o risco de transmissão da dengue, olhamos para a quantidade de municípios infestados. Isso nos indica onde está o mosquito e, atualmente, ele está disseminado pelo estado. Ele não vem de fora. Então, os cuidados básicos de prevenção precisam ser constantes, ao longo de todo ano e reforçados especialmente neste momento de transmissão da doença”, alerta João Augusto Brancher Fuck, diretor da Dive.

Santa Catarina vem passando por uma mudança no perfil entomológico relacionado à presença do Aedes aegypti, com a disseminação e manutenção do mosquito no território. Esta condição tem contribuído para a transmissão do vírus da dengue. Epidemias de dengue já foram registradas em 2015, 2016, 2019, 2020, 2021 e 2022. As informações sobre a dengue em SC são atualizadas quinzenalmente em um informe epidemiológico: https://dive.sc.gov.br/phocadownload/doencas-agravos/Dengue/Informes/Informe-DengueCZ3-2023.pdf

A prevenção da dengue depende de uma ação conjunta entre o poder público e a população. Manter os cuidados básicos, ou seja, eliminar os locais que possam acumular água ainda é a melhor maneira de prevenir as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Descartar corretamente o lixo, manter piscinas e calhas limpas, não acumular entulho, são atitudes que precisam virar rotina. Não esquecer também os objetos maiores, como as caixas d’água, que precisam ser tampadas.

- Parceiro -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, informe seu nome