GRUPO GESTOR DE SÃO JOSÉ ATUA PARA OFERECER QUALIDADE DE VIDA À POPULAÇÃO

Para promover a conexão entre o Executivo, órgãos de segurança como a Polícia Militar, Civil e Rodoviária e entidades representativas,  Prefeitura de São José realizou hoje a primeira reunião do Gabinete Gestão Integrada (GGI) deste ano.  O encontro é um espaço para que as instituições apresentem ideias e trabalhem em ações efetivas para melhoria na gestão da cidade.

O secretário de Segurança, Defesa Social e Trânsito, Vânio Dalmarco, destacou que é preciso agir com firmeza na garantia da segurança. “Somos a terceira cidade de Santa Catarina que mais gera empregos e para nos tornarmos uma cidade melhor é necessário investir na segurança das pessoas, sendo eficientes na inibição de delitos”, afirmou Vânio.

A perturbação de sossego também foi um tema abordado na reunião. A superintendente da Fundação Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (FMADS), Gabriela Brasil dos Anjos, informou que um termo de cooperação está em desenvolvimento para combater tais atos. “Estamos estudando a aquisição de equipamentos para fazer a medição dos ruídos, além disso, a superintendência promoverá uma capacitação para o operacional dos oficiais da Guarda e Polícia que irão utilizar as ferramentas”, reforçou Gabriela.

CAUSA ANIMAL

O Comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar (BPM), André Rodrigo Serafin, trouxe para conhecimento dos integrantes do GGI assuntos voltados para a causa animal. “É necessário ter um canal de comunicação mais próximo da Diretoria de Bem-Estar Animal e também da Secretária de Saúde. Nós passamos hoje por dificuldades em alocação de animais abandonados ou vítimas de maus-tratos”, avaliou Serafin, que também incentivou a produção de uma campanha para o tema.

LIMPEZA DE RUAS

Ane Warmling, Comandante da Guarda Municipal, elencou ações que vêm sendo desenvolvidas na regularização de carrinhos de propulsão humana, de abordagem e de limpeza das ruas. “Nosso trabalho tem sido incansável na abordagem, triagem e direcionamento para pessoas em situação de rua ou que estejam cometendo crimes de descarte irregular de lixo, furto de fios”, relembrou Ane.

Representante da AEMFLO/CDL, Fabrício Barni, pontuou que é necessário estimular hábitos na população. “Temos que criar canais que incentivem as pessoas a registrarem boletins de ocorrência e conscientizar sobre a esmola e os riscos de receptar objetos roubados”.

- Parceiro -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, informe seu nome